terça-feira, 21 de julho de 2015

REMINISCÊNCIAS:

FRANCISCO GAAG – O CONTRUTOR DA PONTE DO ASSU TAMBÉM AJUDOU A CONSTRUIR O CRISTO REDENTOR
Ponte sobre o Rio Piranhas / Assu
O nome de batismo de Francisco Gaag era Franz Gaag. Nasceu em Viena, Áustria, no dia 05 de novembro de 1901. Filho de Johan e Marie Gaag. Irmão de Andreas, Karl e Josef. Estudou na Escola Politécnica de Viena (o diploma de técnico em concreto armado era reconhecido no Brasil como ENGENHEIRO). 

Veio para o Brasil para construção da embaixada da Áustria no Rio de Janeiro. Nesse período foi convidado pelo Dr. Heitor Silva (responsável pela construção do Cristo Redentor) para trabalhar nas obras da maior imagem católica do mundo (à época) ficando o mesmo responsável pelo cimento da obra.
Cabeça do Christo Redemptor em montagem.
Francisco Gaag nas ferragens da base do Christo Redemptor
Francisco Gaag na subida do Christo Redemptor no dia da inauguração
Heitor Silva deixando recado a Francisco Gaag 
durante a construção do" Christo Redemptor".

Casou com Dona Gina Soares de cujo matrimônio nasceram: Margarida, Martha, Mozart e Eduardo. 

Decorrido um tempo veio residir no Rio Grande do Norte, mais precisamente no município do Assu, para trabalhar na construção da ponte sobre o rio Piranhas/Assu - obra federal de responsabilidade do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas – DNOCS.

O austríaco Francisco Gaag (Franz Gaag), técnico em concreto armado, depois de ter participado das obras monumentais do Cristo Redentor – Rio de Janeiro, iniciou a construção da Ponte sobre o rio Piranhas/Assu no dia 08 de abril de 1948, sob a direção do engenheiro Manoel Martins de Ataíde, do DNOCS de João Pessoa - PB. 

Decorridos quatro anos de construção, em abril de 1952, a ponte Felipe Guerra foi liberada para tráfego de veículos. Na verdade, esta obra foi inaugurada pelo povo. Oficialmente, nenhuma autoridade “cortou a fita” declarando território público de livre acesso.

Durante a sua estada na “Terra dos Poetas”, residindo na Praça da Tijuca (nome antigo – atual Rua Bernardo Vieira - para a qual fez a doação dos bancos de concreto) adquiriu grandes amigos, entre estes: Edmilson Lins Caldas, Leonardo Pinheiro, Epifânio Barbosa, Edgar Borges Montenegro e Renato Caldas - que trabalhou na construção da ponte como responsável pela pedreira.

Costumeiramente frequentavam a sua residência as irmãs da congregação das Filhas do Amor Divino (Colégio Nossa Senhora das Vitórias), entre estas, irmã Josefina e a Reverendíssima superiora e também Provincial das Filhas do Amor Divino, Madre Cristina Vlastinik que falavam alemão com Francisco Gaag.

Além da Ponte Felipe Guerra (em Assu) Francisco Gaag construiu as pontes: sobre o rio Piranhas no município de Jardim de Piranhas; sobre o rio Caicó; de Serra Talhada e a de Goianinha. Construiu ainda, o açude de Pau dos Ferros e foi fiscal da primeira ponte de Igapó. 

Faleceu em Natal no ano de 1986, em decorrência de problemas cardíacos.

Informações e fotografias cedidas pelo seu filho Eduardo Gaag.

Nenhum comentário:

Postar um comentário